Xbox está muito a frente do Playstation na disputa pelo mercado de jogos, diz Forbes

A competição na indústria de jogos não é sobre quem vende mais consoles, é sobre quem ganha mais dinheiro

Kevin Murnane, veterano colunista da Forbes, teceu um interessante artigo sobre o futuro da guerra de consoles e como o streaming será a tendência daqui pra frente. Segundo a matéria, a Microsoft está na vantagem em relação à Sony e Nintendo, pois a gigante de Redmond possui uma infraestrutura muito superior em relação às duas empresas nipônicas. A tradução completa do artigo vocês podem ler logo abaixo.

Xbox vs. PlayStation: A Guerra dos Consoles. A conversa constante sobre quem está ganhando e perdendo aumenta à medida que a Sony e o PlayStation estão prontos para lançar uma nova geração de console. Este ano não é diferente, o clamor já começou. Exceto que este ano é uma exceção e o ruído que você ouve é o som de uma mão batendo palmas. A indústria de videogames foi além de quem vende mais consoles. A Microsoft seguiu em frente, a Sony não o fez e o PlayStation ficou em guerra… Com a Nintendo? Ninguém?

A competição na indústria de jogos não é sobre quem vende mais consoles, é sobre quem ganha mais dinheiro. E há muito dinheiro a ser ganho. De acordo com um artigo recente do Protocol, a indústria de jogos produz mais de US $ 150 bilhões em receita anual. Compare isso com a bilheteria mundial de 2019, que foi US $ 42,5 bilhões e o ramo da música em 2018, gerando US $ 19,1 bilhões. A receita global de jogos é 240% maior que a receita obtida com filmes e música combinados.

Houve um tempo em que as vendas e a competição entre os fabricantes de console tiveram um papel central na disputa pelos jogadores no mundo dos videogames. Os jogos eram principalmente singleplayer, eram jogados localmente e as fabricantes de consoles levaram os compradores ao segmento de mercado delas. Observando as pessoas brincando com os amigos em sofás e festas de LAN.

Isso foi antes, agora os jogos mais populares do mundo são multiplayer ou possuem fortes componentes multiplayer. Eles são jogados em nuvem. Você pode jogar com amigos que moram em qualquer lugar. Dezenas de milhões assistem a conteúdo relacionado a jogos no Twitch, Mixer e YouTube todos os dias. A verdadeira concorrência no setor de videogames não está ocorrendo na arena dos consoles, está acontecendo na nuvem.

A Microsoft entendeu isso. Phil Spencer disse o seguinte ao Protocol:

Quando você fala sobre Nintendo e Sony, temos muito respeito por eles, mas vemos a Amazon e o Google como os principais concorrentes no futuro. Isso não é desrespeitar a Nintendo e a Sony, mas as empresas de jogos tradicionais estão um pouco fora de posição. Acho que eles poderiam tentar recriar o Azure, mas investimos dezenas de bilhões de dólares em nuvem ao longo dos anos.

Não quero brigar por guerras de formatos com esses caras, enquanto a Amazon e o Google estão se concentrando em como levar os jogos para 7 bilhões de pessoas em todo o mundo. Em última análise, esse é o objetivo.

Essa declaração pode ser um choque para aqueles que ainda investem em guerras de console, mas os comentários de Spencer refletem com precisão o estado atual da indústria de videogames. Plataformas de hardware e jogos exclusivos foram os termômetros de sucesso de outrora, hoje é a hospedagem na nuvem. E Microsoft, Amazon e Google são as únicas com infraestrutura para levar jogos baseados em streaming para o mundo inteiro.

O Xbox tem se concentrado na nuvem, não no console, durante grande parte da geração atual de consoles. Satya Nadella assumiu o cargo de CEO e começou a levar a Microsoft para a nuvem menos de um ano após o desastre do Xbox One na E3 2013. Um mês depois que ele assumiu o cargo, ele colocou Spencer no comando do Xbox. Em 2017, Spencer foi nomeado para a Equipe de Liderança Sênior se reportando diretamente a Nadella. Spencer tem subestimado a competição de consoles e promovido a oferta de jogos para os jogadores, desde que ele seja o chefe da Microsoft. Muitos entenderam isso como uma desculpa por causa do domínio do PS4 nas vendas de console. Na verdade, era uma indicação que o Xbox entendeu que as vendas de console não são o futuro dos jogos. Eles nem são o presente.

Para entender por que a hospedagem na nuvem, e não as vendas de console, é a chave para o sucesso na indústria de jogos, tudo o que você precisa fazer é seguir o dinheiro. Jogos multiplayer, jogos para celular, Twitch, Mixer e YouTube são todos mega geradores de dinheiro e todos dependem de hospedagem na nuvem. Somente esse trio faz da nuvem a fonte mais atraente de receita de jogos atualmente.

Agora adicione o streaming de jogos a essa mistura. Stadia estreou em novembro, o GeForce Now saiu da versão beta há alguns dias, o xCloud está na versão beta. Redes 5G estão sendo construídas. Atualmente, o streaming baseado em assinatura não é um recurso importante no cenário dos jogos, mas está a caminho e tornará a hospedagem em nuvem ainda mais valiosa do que é hoje. As empresas não precisam de seu próprio console para obter sucesso neste mundo, precisam de infraestrutura de ponta com poderosos data centers em todo o mundo.

Microsoft, Amazon e Google têm data centers, a Sony não. A Sony ainda é obrigada a vender consoles porque não pode competir na nuvem. A surpreendente revelação do PS5 na Wired permitiu à Sony concentrar a discussão em seu console de última geração, que se encaixava perfeitamente com a percepção equivocada de que as vendas do console ainda são o critério de sucesso. A tática forte da Sony de usar exclusivos PS5 para coagir os jogadores a comprarem o novo console, as notícias de que os preços do PS5 podem depender do preço do Xbox Series X e a resistência bem documentada do PlayStation ao crossplay são todos sinais de que o PlayStation está ainda preso às vendas de consoles enquanto a indústria de jogos segue em frente.

As vendas de console foram importantes quando a geração atual foi lançada em 2013, e o PlayStation venceu essa guerra decisivamente. Mas o campo de batalha mudou nos anos seguintes. O dinheiro está na nuvem agora e a Sony não tem infraestrutura de nuvem para competir. Tudo isso ficou claro quando Sony e Microsoft anunciaram uma parceria em maio do ano passado, permitindo que a Sony usasse o serviço de nuvem Azure da Microsoft para streaming de jogos. Isso significa “Fim do jogo”. Você ouvirá muito sobre a guerra de consoles entre o PS5 e o Xbox Series X nos próximos meses, mas há muito barulho por nada. A guerra de consoles é, na melhor das hipóteses, apenas um conflito, a guerra é nas nuvens agora.

Fonte:Forbes

💚 Acompanhe-nos nas redes sociais seguindo no Instagram e Twitter