Várias desenvolvedoras japonesas confirmam que a Microsoft está tentando adquiri-las

A gigante de Redmond está mirando o Japão, o terceiro maior mercado de videogames

Artigo de Takashi Mochizuki, traduzido direto da Bloomberg.

Na batalha das máquinas de jogos de próxima geração, dois jogadores-chave estão se movendo em direções diferentes.

A Microsoft Corp. está fazendo uma séria tentativa de atrair fãs no Japão com seus novos consoles e serviços de rede. Ao mesmo tempo, em que a Sony Corp. com sede em Tóquio mudou sua sede de negócios para a Califórnia em 2016 e constituiu os EUA em seu maior mercado atual.

Novos dispositivos Xbox e PlayStation que serão lançados nesta semana provavelmente enfrentarão uma batalha difícil no Japão, onde o Switch da Nintendo Co. desfruta do domínio com uma linha familiar de jogos.

Mas o direcionamento da Microsoft para o terceiro maior mercado mundial de videogames — inclusive com serviços que podem ser acessados em uma variedade de dispositivos — poderia potencialmente produzir resultados fortes. Como o Xbox tem praticamente zero presença no país, há muito espaço para ele aumentar sua participação.

“O Xbox tem a chance de fazer do Japão seu segundo maior mercado depois dos EUA se tomar os passos certos para os anos seguintes”, disse Hideki Yasuda, analista do Ace Research Institute em Tóquio. “A atenção da Sony está se afastando e os fãs começaram a notar isso.”

A Sony deu mais importância ao mercado americano após o desempenho decepcionante do PlayStation 4 no Japão, de acordo com funcionários que pediram para não serem identificados discutindo assuntos internos.

As vendas globais do PS4 subiram para mais de 113 milhões dos 87 milhões do PS3, de acordo com dados da Sony. Mas o console vendeu menos de 10 milhões de unidades no Japão, menos do que seu antecessor, de acordo com Famitsu, uma revista japonesa de videogames. Os EUA, por sua vez, representam 35% da receita da unidade de videogame, em comparação com 10% para o Japão, de acordo com o analista da Macquarie Group Ltd. Damian Thong.

Qualquer sugestão de que a Sony está mudando seu foco para longe do Japão é incorreta e não reflete a estratégia da empresa, disse a porta-voz Natsumi Atarashi. Ela observou que o PlayStation 5 está sendo lançado primeiro no Japão e disse que “nosso mercado doméstico continua sendo de extrema importância”.

Uma figura importante dentro da sede do PlayStation em San Mateo, Califórnia, disse que o lado dos EUA estava frustrado com o fracasso da equipe de marketing do Japão em vender tantas unidades do PlayStation 4 quanto o esperado. A pessoa pediu para não ser identificada discutindo assuntos internos.

Como resultado, o Japão foi deixado de lado no planejamento da promoção do PlayStation 5, de acordo com vários funcionários do PlayStation no Japão. Funcionários em Tóquio disseram que foram deixados esperando instruções da Califórnia.

As equipes de suporte a desenvolvedores com sede no Japão foram reduzidas em até um terço de seu pico, e os contratos de vários criadores de jogos no Japan Studio do PlayStation, um dos mais antigos ateliês de software internos da unidade, não foram renovados, disseram ex-funcionários. O escritório dos EUA acredita que o negócio do PlayStation não precisa de jogos que só se sairão bem no Japão, disseram funcionários na sede da Califórnia.

Os dois principais eventos promocionais online do PlayStation 5 aconteceram às 5 da manhã em Tóquio – tornando-os mais acessíveis aos fãs americanos e europeus – e não tinham tradução japonesa para algumas partes. A empresa também decidiu padronizar seu esquema de controle PS5 para que os jogadores japoneses tivessem que usar X para confirmar e O cancelar, como o resto do mundo. Isso inverte uma tradição de 26 anos em um país onde círculos significam positivos e cruzes marcam negativos.

Os varejistas locais disseram que não receberam muito mais unidades do que Primeiro Lote do Playstation 5 do que do PlayStation 3, que teve uma produção inicial limitada.

“É consenso dos analistas que o PlayStation não vê mais o mercado japonês como importante”, disse Kazunori Ito, analista da Morningstar Research. “Se você quer saber sua opinião sobre o mercado japonês, você precisa perguntar sobre isso, porque caso contrário, a Sony não falaria sobre isso.”

A propriedade da TV entre as famílias japonesas vem caindo há anos, de acordo com dados do governo. Isso torna o mercado menos atraente, de acordo com Yasuda da Ace. Para jogar jogos no PlayStation, o usuário deve ter uma TV ou monitor, embora alguns títulos também estejam disponíveis para jogar em PCs.

Serkan Toto, consultor de jogos em Tóquio, disse que o PlayStation 5 deve vender menos unidades do que seu antecessor.

“Muitos proprietários do PlayStation 4 no Japão eventualmente se mudariam para o PlayStation 5, mas isso dependeria em grande parte de quão forte a equipe do PlayStation em Tóquio será para empurrar as necessidades dos clientes japoneses para a sede americana”, disse ele. “Considerando o atual equilíbrio de poder entre os EUA e o Japão, não posso esperar muito, infelizmente.”

Para se ter certeza, o sucesso mundial do PlayStation 4 sugere que a estratégia da Sony não tem sido prejudicial. O diretor financeiro Hiroki Totoki disse em 28 de outubro que a empresa seria capaz de vender mais de 7,6 milhões de unidades do PlayStation 5 nos primeiros cinco meses, mais do que o popular PlayStation 4 alcançou no mesmo período. O objetivo a longo prazo é vender tantas unidades quanto o PS4, disse Totoki.

E o serviço de assinatura PlayStation Plus da empresa, para proprietários de consoles da Sony, relatou um aumento recorde de assinantes durante o período de bloqueios pandêmicos.

Mas a Microsoft, que está lançando seus consoles de última geração no Japão na terça-feira, mesmo dia em que o faz no resto do mundo, vê uma oportunidade no mercado Japonês. A Microsoft só começou a vender o Xbox One no Japão quase um ano depois dos EUA, o que contribuiu para suas vendas decepcionantes no país asiático.

O desafio enfrentado pela Microsoft é íngreme. O Xbox One representou apenas 0,1% das vendas de consoles no Japão este ano até 1º de novembro, em comparação com 10,1% para o PlayStation 4 e 89,8% para o Switch da Nintendo, de acordo com Famitsu.

A Microsoft está apostando que seu Xbox Series S, o menor Xbox de todos os tempos, vai ajudar a virar a maré. Consoles anteriores foram criticados como sendo muito grandes para salas de estar japonesas, disse Yasuda, da Ace.

A empresa norte-americana tem intensificado as discussões com desenvolvedores de jogos com sede no Japão sobre o lançamento de títulos no Xbox, disse Sarah Bond, que supervisiona as relações com criadores de jogos em todo o ecossistema de jogos da Microsoft.

Koei Tecmo Games Co. é uma dessas empresas. Hisashi Koinuma, presidente da editora japonesa, disse que está disposto a considerar lançar mais jogos para o Xbox se a empresa norte-americana mostrar interesse contínuo no Japão.

Além disso, há evidências de que a Microsoft está buscando fazer aquisições no país, embora ainda não tenha conseguido um acordo com um grande nome lá até o momento. Vários desenvolvedores de jogos baseados no Japão, de pequeno a grande porte, disseram que eles haviam sido abordados sobre a compra de seus negócios. Eles pediram para não serem identificados, pois as conversas eram privadas, e se recusaram a dar detalhes sobre como foram as discussões.

Quando perguntado sobre possíveis compras de empresas japonesas, Jeremy Hinton, chefe de operações do Xbox na Ásia, disse que a Microsoft está sempre aberta a discussões com criadores que são um bom investimento. Ele disse que aquisições são uma possibilidade, mas não há anúncios para compartilhar no momento.

“O Japão tem sido uma parte isolada do mundo Xbox, mas parece que a Microsoft está mudando esse cenário”, disse Katsuhiko Hayashi, representante do Famitsu Group, sobre os esforços da Microsoft para atingir o país.

O foco não é apenas vender consoles. Hinton disse que a empresa também está apostando em ganhar mais assinantes do serviço Game Pass Ultimate, que inclui a oferta de streaming de jogos xCloud. Este serviço, que pode ser usado para outros dispositivos, bem como para o Xbox, oferece mais de 100 que você pode desfrutar por uma taxa mensal fixa e buscará atrair a crescente base de jogadores móveis do país.

Embora o Japão tenha ficado atrás da China e dos EUA no tamanho de seu mercado de videogames, a Microsoft disse que o Japão ainda é maior quando medido pelos gastos per capita.

Mas ainda restam dúvidas sobre se a empresa norte-americana será capaz de penetrá-la dada a sua falta de sucesso no passado, de acordo com o consultor da indústria de jogos Toto.

“A Microsoft continuará a ter dificuldades no Japão, e não vejo nenhuma razão para que o próximo Xbox se faça melhor no Japão do que os modelos anteriores”, disse ele. “Todos os sinais apontam que, para os próximos anos, a Nintendo permanecerá reinando no Japão, e eu realmente não entendo por que a Microsoft ainda está tão obcecada com o Japão.”

Se ele está certo ou se a empresa americana pode abrir a porta para um mercado que há muito a iludiu, ainda não se sabe.

“A Microsoft não será capaz de tomar a posição da Sony como número 2 no Japão em tão pouco tempo, mas pelo menos começou a fazer mudanças”, disse Yasuda, da Ace. “Uma maré grande sempre começa com uma pequena mudança.”

Fonte:bloomberg