Poder não salvará o Xbox Series X se ele não tiver jogo, diz Jacob Siegal

Assim como Tyson Fury se saiu em sua tão antecipada revanche contra Deontay Wilder no fim de semana, a Sony foi a vencedora incontestável da última geração de consoles domésticos. O PlayStation 4 é o quarto console mais vendido de todos os tempos e pode muito bem subir pelo menos mais uma posição antes de finalmente ser retirado do mercado. Com uma liderança tão grande, é perfeitamente possível que a Sony não sinta pressão para revelar nada sobre o PlayStation 5 até que esteja pronta, mas,enquanto isso, a Microsoft vem criando hype para o Xbox Series X.

Em dezembro, a Microsoft nos surpreendeu com o anúncio do console Xbox Series X no The Game Awards. E então, nessa segunda-feira, ficamos sabendo o quão poderoso o Xbox Series X seria, com a Microsoft liberando informações a respeito das especificações do console. Elas são tão impressionantes quanto poderíamos imaginar, mas mesmo com 12 teraflops de velocidade e uma unidade SSD extremamente rápida, há uma coisa que o console ainda precisa me mostrar antes de me convencer: jogos.

Não é segredo que a Microsoft teve dificuldades para acompanhar a Sony no que diz respeito aos grandes exclusivos à medida que a geração avançava. De fato, em 2017, comparei a maré de grandes jogos exclusivos para PS4 lançados nos dois primeiros meses do ano ( Horizon Zero Dawn, Gravity Rush 2, Kingdom Hearts HD 2.8 Final Chapter Prologue, Tales of Berseria, Yakuza 0, Digimon World: Next Order e Nioh) com os exclusivos lançados no Xbox One ( Halo Wars 2 ), e eu mal podia acreditar. Isso foi há três anos, mas não chegou a ficar melhor que isso para os proprietários do Xbox.

Enquanto o Xbox One continuava passando por dificuldades, Phil Spencer, o chefe do Xbox, e sua equipe aparentemente não tiveram escolha a não ser admitir a derrota e começar a trabalhar na próxima geração. A Sony permaneceu relativamente quieta sobre seus planos para o futuro, mas Spencer estava empolgado em informar a todos exatamente como a Microsoft retornaria a sua antiga forma. Por exemplo, nos últimos dois anos, a Microsoft adquiriu vários estúdios de jogos grandes, incluindo a Ninja Theory, Undead Labs, Compulsion Games, Playground Games, inXile Entertainment, Obsidian Entertainment e Double Fine Productions.

Junto com a Mojang (Minecraft ), Rare (Banjo-Kazooie ) e muitos outros, agora são todos subsidiários da Xbox Game Studios, o que significa que a Microsoft não terá desculpas se o Xbox Series X passar muito tempo sem grandes exclusões. Todas essas aquisições foram feitas tendo em vista o futuro, e esse futuro finalmente chega nessa primavera, quando o Xbox Series X chega às prateleiras das lojas em todo o mundo.

Vale ressaltar que “exclusivo” significa algo diferente para a marca Xbox em 2020 do que em 2013. Como o chefe do Xbox Game Studios, Matt Booty, explicou em uma entrevista recente, nos próximos dois anos, “todos os nossos jogos, assim como o PC, rodará nessa família de dispositivos.” Portanto, em outras palavras, todos os principais títulos first-party que chegarem ao Xbox Series X pelo menos no próximo ano também serão lançados nativamente no Xbox One. Esses jogos, como Halo Infinite, aproveitarão o poder do Série X, mas não serão “exclusivos” no sentido tradicional.

Por mais caóticos e confusos que tenham sido os meses anteriores ao lançamento do Xbox One, Spencer e sua equipe parecem ter um plano muito mais coeso para o lançamento do Xbox Series X. Sabemos o bastante para começarmos a ficar empolgados, mas ainda haverá muito para se falar na E3 2020. Vimos a base que a empresa criou nesta geração, e parece improvável que a Microsoft repita os erros da última geração. A única coisa que não vimos é como a Sony responderá. Mas, por enquanto, a Microsoft tem o palco só para ela.

Fonte:bgr