Siga-nos:

PlayStation não tem o dinheiro da Microsoft para gastar e luta pela sobrevivência

Diz Jeff Ross, diretor de Days Gone

Jeff Ross está trabalhando atualmente na NetherRealm Studios, conhecida por Mortal Kombat, mas praticamente toda a sua carreira foi passada na Sony Bend Studios, onde trabalhou como diretor de Days Gone antes de sair.

Após ter sido noticiado que a Sony recusou a proposta para Days Gone 2, Ross foi convidado por David Jaffe para uma conversa e o criador de God of War o questionou sobre os planos para a sequência do jogo, que iria cumprir o desejo de incluir modo cooperativo em mundo aberto, algo que sempre desejaram incluir no primeiro game, mas não conseguiram.

Questionado sobre o porquê da proposta ter sido recusada, Ross explica que o orçamento do original foi muito superior ao que foi inicialmente apresentado e que Days Gone 2 ia custar ainda muito mais dinheiro à Sony do que o orçamento final do primeiro. Além do crescimento da equipe, que foi de 45 para 120 pessoas, o investimento significa que um determinado número de cópias terá de ser vendida para recuperar o dinheiro gasto pois só assim a divisão PlayStation consegue financiar o próximo projeto.

Ross diz que os fãs precisam ter em mente que o PlayStation não tem o dinheiro da Microsoft para gastar e que luta para sobreviver a cada nova geração, explicando o porquê de escolherem bem os projetos que apoiam. O sucesso de cada jogo financia o seguinte.

“O retorno do investimento para jogos em que tens de vender 4 ou 5 milhões de cópias para recuperar os gastos, é preciso haver confiança no retorno, uma vez que a Sony não tem o dinheiro que a Microsoft tem e o orçamento necessita ser usado de forma muito inteligente e precisam permanecer focados num catálogo diversificado,” disse Ross a Jaffe.

“A Sony precisa gerir de forma responsável o negócio. Não faz mal tomarem decisões baseadas na previsão do retorno do investimento pois precisam de dinheiro para financiar o próximo jogo,” disse Ross quando questionado sobre o que está acontecendo com os estúdios menores da Sony e até mesmo com a Sony Japan Studio.

“Para a Sony, cada era é sobre sobrevivência. Nunca tiveram imenso dinheiro, têm de ser inteligentes. Penso que os fãs devem compreender isso antes de começarem os insultos.”

“É ingénuo pensar que é tudo magia, boa vontade e que estamos todos sentados a fazer o correto, ao invés de fazer a melhor coisa para a companhia e fãs. Sim, muitos dos jogos pequenos geram imenso apreço e carinho pela marca, não faço ideia do estado desses ou do que está a acontecer, mas quando estás a fazer um jogo como Days Gone, a Sony não se intromete, isso é muito bom para um estúdio.”

“Se agora apenas podem financiar um número limitado desses jogos, penso que é compreensível. Infelizmente, para a Sony, criaram o seu nome nos últimos 10 anos com estes jogos singleplayer super polidos e emocionalmente cativantes e vendem muito bem e fazem muito dinheiro. Mas não fazem o mesmo dinheiro de Fortnite através das temporadas, por isso têm de ter cuidado.”

Ross acrescentou ainda que a Sony não força os estúdios a fazer seja o que for, mas compreendem que a aposta no projeto terá de significar um retorno comercial, uma vez que “os jogos são caros, os filmes são caros, para fazer mais, os primeiros têm de gerar dinheiro.”

Fonte:eurogamer