Siga-nos:

Microsoft inicia uma ofensiva para cumprir seu acordo com a Activision Blizzard

A Microsoft iniciou na quarta-feira um “ofensiva charmosa” em Washington para obter a aprovação do governo para seu acordo de US$ 70 bilhões para comprar a empresa de videogames Activision Blizzard, dizendo que não daria tratamento preferencial a seus próprios jogos em suas lojas de aplicativos.

Satya Nadella, presidente-executivo da Microsoft, e Brad Smith, seu presidente, disseram em entrevista coletiva em Washington que planejavam se encontrar com autoridades para discutir o acordo. Smith disse que estava “compartilhando para onde estamos indo com membros do Congresso” e que a empresa estava “se encontrando com pessoas da comunidade de think tanks e afins”.

Espera-se que os reguladores dêem à proposta de aquisição da Activision pela Microsoft – a maior da história da Microsoft – uma revisão difícil. O acordo combinaria a Activision, que tem jogos como Call of Duty e World of Warcraft, com a operação Xbox da Microsoft, que publica sucessos como Halo, Forza e faz consoles e serviços de assinatura de jogos.

Para se antecipar a esse escrutínio, os executivos da Microsoft trouxeram uma lista de promessas.

“Estamos propondo a emissão do maior cheque da história da Microsoft de US$ 68 bilhões e só teremos permissão para preencher esse cheque se 17 governos ao redor do mundo aprovarem essa transação”, disse Smith. “Queremos deixar claro com os reguladores e com o público que se esta aquisição for aprovada, eles podem contar com a Microsoft para se adaptar às regras que estão surgindo.”

Smith e Nadella disseram que se comprometeriam a afrouxar as restrições sobre como outros desenvolvedores podem ter acesso às lojas de aplicativos da Microsoft. Eles disseram que também não forçariam outros desenvolvedores a receber pagamentos de usuários que usam os sistemas da Microsoft, permitiriam que os desenvolvedores de jogos falassem diretamente com os jogadores e não promoveriam os próprios jogos da empresa em detrimento de produtos rivais.

A Microsoft prometeu continuar a permitir que as principais franquias da Activision, como Call of Duty, estejam disponíveis no Sony PlayStation, um concorrente do Xbox, além do acordo atual da empresa com a empresa.

Os executivos da Microsoft reconheceram o grande desafio de aprovar seu acordo de grande sucesso em um momento de maior escrutínio das grandes empresas de tecnologia do governo Biden. Lina Khan, presidente da Federal Trade Commission, é uma crítica de gigantes da tecnologia como Amazon e Meta, empresa controladora do Facebook.

Sob ela, a agência processou para bloquear a aquisição da Arm pela fabricante de chips Nvidia e ela prometeu ser mais agressiva ao examinar mais fusões e aquisições. Ela iniciou um processo para endurecer os padrões das chamadas fusões verticais, que pode ou não incluir a oferta da Microsoft pela Activision, uma combinação de duas empresas ao longo de uma cadeia de suprimentos.

A Microsoft também pode enfrentar desafios no exterior. Reguladores na Grã-Bretanha e na União Europeia têm sido ainda mais agressivos ao abrir processos antitruste contra os gigantes da tecnologia ou ao bloquear suas aquisições.

A Microsoft disse que a Activision a ajudará a competir no negócio nascente do chamado metaverso, ou mundos virtuais onde algumas empresas de tecnologia acreditam que as pessoas podem trabalhar e se divertir.

Nadella disse que a principal mensagem era que a Microsoft não dominaria os jogos se a fusão fosse aprovada. A empresa se tornaria a terceira maior fornecedora de videogames com cerca de 13% do mercado, disse ele.

“Em tempos tradicionais, ser o número três em um mercado altamente fragmentado não seria tão interessante para ninguém”, disse Nadella.

Smith disse que a Microsoft expressou apoio à legislação antitruste para mostrar aos membros do Congresso que a empresa não lutará contra o que considera regulamentações inevitáveis.

“Não estamos no mundo de 2018 e 2019”, disse ele. “Reconhecemos que haverá mais escrutínio de quaisquer grandes acusações feitas por uma grande empresa de tecnologia. Cabe a nós agir com rapidez e transparência e ser claros sobre como gerenciamos isso.”