Siga-nos:

Jack Tretton diz que PlayStation e Xbox não estão mais competindo

Rivalidade entre os consoles é sempre algo discutido entre os jogadores, chegando a ser motivo de muito flame war. No entanto, as produtoras das plataformas podem não ter a mesma visão dos jogadores.

Jack Tretton, o qual já atuou como CEO da Sony no passado, recentemente falou um pouco a respeito desses movimentados anos que tem sido para os jogos, especialmente tratando-se de aquisições, como vimos recentemente com a Activision Blizzard e Bungie por parte da Microsoft e Sony, respectivamente.

De acordo com Jack, no passado, quando ainda fazia parte da Sony, o objetivo era sempre sair por cima da rival, não importando a forma. No entanto, ele acredita que as coisas mudaram desde então.

Acho que na época, quando eu estava na Sony e estávamos tentando estabelecer a marca PlayStation, e o Xbox saiu e estávamos tentando competir com uma empresa tão formidável como a Microsoft, tudo se tratava de “ganhar às custas da concorrência, contra-atacar o que eles estão fazendo, bloquear o que eles estão fazendo”, mas acho que os negócios cresceram tanto agora que já não é mais assim.

Para ele, a indústria não funciona mais como uma competição entre as três fabricantes de console, mas sim cada uma entregando uma proposta diferente. Por isso Jack não acredita que a Microsoft irá tornar Call of Duty exclusivo do Xbox, algo que ele afirma que ela teria feito caso tivesse adquirido a Activision Blizzard 10 anos atrás.

O fato de tanto a Microsoft quanto a Sony lançarem seus jogos para PC são uma prova disso. O ex-CEO também cita o fato de um estúdio da Sony estar desenvolvendo MLB The Show, um jogo disponível em todos os consoles

O atual rival das três produtoras no momento, ele afirma ser na verdade outros meios de entretenimento. Fazes as pessoas desistirem de assistir um filme para em vez disso jogarem algo.

A competição na indústria de videogames não é mais Nintendo versus Sony versus Xbox. É o videogame como uma forma de entretenimento contra assistir TV, ir a shows ou qualquer outra forma de entretenimento que você tenha. Portanto, a indústria de jogos está competindo pelo tempo e atenção das pessoas, e quanto mais ótimas experiências de entretenimento houver, mais opções as pessoas na indústria de videogames e as pessoas que gostam de jogar videogames terão para escolher.
Acho que eu preferiria uma concorrente investir no espaço de videogame do que um concorrente investir na indústria cinematográfica ou na indústria da música porque, para mim, investir na indústria cinematográfica não necessariamente ajudará a expandir o negócio de videogames.

Por falar em aquisições, Jack também diz entender que algumas pessoas enxergam isso com olhos negativos. Ainda assim, ele afirma que tais aquisições podem trazer benefícios, como o fato de a Microsoft ter adquirido um estúdio por US$ 70 bilhões demonstrar o quão grande é a indústria.

Existe uma forma de ver praticamente tudo o que acontece como um copo meio cheio ou copo meio vazio e você pode encontrar formas de apresentar pontos negativos sobre essas aquisições, mas acho que os pontos positivos superam os negativos. E os pontos positivos são que isso chama a atenção para uma indústria que já fatura US$ 200 bilhões e está crescendo, e mesmo que seja mais que o dobro do tamanho das bilheterias de cinema e da indústria da música juntos, eu ainda acho que você encontra muitas pessoas por aí que não apreciam o quão grande, sofisticado e… mainstream os jogos são.

Fonte:gamevicio