Siga-nos:

Intel quer que usuários paguem para desbloquear recursos em suas CPU

A versão 5.18 do Linux não será lançado antes da primavera (outono no Brasil) de 2022, mas isso não impede os planos da Intel em lançar o seu novo mecanismo Software Defined Silicon (SDSi) na plataforma de código aberto. O Intel SDSi permitirá que processadores Xeon possam debloquear recursos e receber atualizações direto no chip após a compra. Os chips da família Sapphire Rapids serão os primeiros da empresa a apresentar este recurso.

O usuário do Twitter, Andreas Schilling, aponta que está não é a primeira vez que a Intel tenta bloquear recursos dos processadores atrás de uma paywall. Ele relata que em 2010, a Intel tinha criado um mecanismo que desbloqueava velocidades de clocks mais rápidos e aumentava a memória cache dos Core i3-2xxx, também conhecida como a linha Sandy Bridge. Mas por este recurso não ter tido sucesso e acabou sendo interrompido pela Intel.

Durante este tweet, a Intel estava em várias discussões de como implementar patches para habilitar o SDSi no Linux. No ano passado, nesta mesma época, o Linux estava na sua versão 5.15. E agora estamos vendo a chegada do Linux 5.18, e a Intel está preparada para lançar a feature no próximo kernel.

Hans de Goede, um desenvolvedor Linux experiente da Red Hat e vários outros projetos relacionados a hardware, afirma que “Supondo que não surja nenhum grande problema, o plano é para que ele esteja disponível antes do lançamento da atualização 5.18.”

Entenda o Intel SDSi
O Intel Software Defined Silicon (SDSi) permitirá que elementos extras já presente no silício dos processadores sejam implantados por meio de software. Mas ainda não foi divulgado pela empresa os seus objetivos futuros

Intel Software Defined Silicon (SDSi) enables extra silicon elements in current and deployed server processors through the software. Intel has not divulged its future goals facilitating its paywalled CPU software-upgradable measures.

Olhando para informações sobre o programa SDSi, ele aparenta vantajoso desde que você não encare o problema de ter que pagar por estes recurso. Os processadores Xeon são ricos em recursos como suporte para até 4.5 TB de memória por socket, virtualização de rede, tecnologia Speed Select, bem como uma grande suíte de segurança oferecida pelo enclave SGX. E essa é apenas a ponta do iceberg. Recentemente, a companhia começou a vender infraestrutura como serviço (IaaS em inglês), densidade de maquina virtual, resfriamento liquido, recursos de busca, processamento de mídia e por aí vai.

Com o lançamento da quarta geração de Xeon conhecida como ‘Sapphire Rapids’, a Intel ofertará variantes específicas do chipset Xeon como:

  • L – Grande suporte a memória DDR (até 4.5TB)
  • M – Médio suporte a memória DDR (até 2TB)
  • N – Rede / Virtualização Funcional de Rede
  • S – Pesquisa
  • T – Temperatura
  • V – Quantidade de Densidade de VM
  • Y – Tecnologia Speed Select

    Supondo que nem todos os usuários precisam dos recursos disponível, a Intel opta por ofertar um recurso aos seus usuários sem adicionar opções que eles não usam. A terceira geração da série Xeon dispões de 57 variações, mas cada uma delas entrega a mesma eficiência, TDP e boost clock. A única diferença entre esses modelos é o recurso de bloqueio do fabricante. Ao invés de ofertar uma grande quantidade de processadores com as mesma capacidade -com alguns recurso bloqueado- a empresa planeja criar poucos processadores assim os usuários podem escolher as características [do processador] e sem ser preocupar com coisas que eles não usam. E também, possibilita a Intel reduzir os custos de fabricação produzindo menos variantes. Infelizmente do ponto de vista de consumidor, a Intel está querendo com essa jogada cria um plano de microtransações para os próximos chips. E os usuários não estão contentes com isso.

O Impacto Negativo do “Recurso Pague pelo Que Você Precisa”
Quando anunciado, a internet já estava agitada com o impacto de hardware com microtransações. Os gamers já tiveram experiência com microtransações nos jogos [pagando] para desbloquear novas skins, mais acessibilidade e muito mais por preços variados. Criar um hardware com o mesmo conceito atraíra o mesmo tipo de repercussão.

É apenas uma questão de tempo antes de trazerem isso para as CPUs dos usuários finais, e teremos que pagar mensalmente para efetuar um overclock ou até mesmo pagar por meses de utilização. Como desenvolvedores, vocês deveriam se sentir envergonhados.
-Eric Kosovec, programador do GitHub

Tirando o fato da Intel optar por permitir que os usuários paguem por recursos adicionais em seu chip, a parte negativa é que a empresa não tem revelado muitas informações sobre os seus novos processadores ou se defendido de qualquer tipo de crítica recebida. O programa SDSi estará disponível no Linux 5.18, cujo lançamento está previsto para primavera de 2022.