Engenheiro é condenado a nove anos de prisão por desviar 10 milhões da Microsoft

Ele tentou encobrir os seus rastros usando bitcoin, porém falhou

Um ex-engenheiro de software da Microsoft foi sentenciado a nove anos de prisão por desviar mais de $10 milhões em créditos da loja online da Microsoft. De 2016 á 2018, Volodymyr Kvashuk trabalhou como um tester para Microsoft, fazendo ordens de compras falsas para ter certeza que tudo estava funcionando bem.

O software automaticamente proibi o envio de produtos físicos para testers como Kvashuk. Mas por um descuido, ele não bloqueava a compra de gift cards. Então Kvashuk de 26 anos, descobriu que ele poderia utilizar a sua conta de teste para comprar créditos reais na loja e depois utilizá-lo para comprar produtos reais.

Primeiramente, Kvashuk comprou uma assinatura do Office e algumas placas de vídeo. Mas quando ninguém se manifestou as essas compras, ele ficou mais ousado. No final de 2017 e início de 2018, ele desviou milhares de dólares em crédito da Microsoft Store e os revendeu online por Bitcoin, a qual ele sacava depois utilizando o Coinbase.

Promotores americanos alegam que ele faturou no mínimo $2.8 milhões, dos quais $160 mil foi utilizado para adquirir um Tesla e $1.6 milhões em uma casa de praia (seus rendimentos foram inferiores ao valor do crédito roubado porque ele teve que vender com um grande desconto)

Kvashuk se esforçou pouco para encobrir os seus rastros das compras iniciais. Mas com os seus desvios ficando maiores, ele ficou mais cauteloso. Ele utilizou contas criadas por outros colegas para desvios futuros. Isso foi fácil de fazer, porque os testers mantinha suas senhas em um documento compartilhado online.

Antes de sacar os bitcoins, ele envio para um serviço de mistura em uma tentativa de ocultar a sua origem. Kvashuk relatou que essa jogada de sorte ao IRS (o leão dos EUA), mas alegou que ele deu as moedas ao sei pai.

O Processo Federal

A denuncia do governo incluí evidências que Kvashuk está ligado ao crime.

As vezes ele utilizava a mesma conexão de VPN — e, portanto, o mesmo endereço IP — para acessar contas diferentes, permitindo aos investigadores pudessem liga sua conta e as demais utilizadas para o roubo. As técnicas de impressão digital do dispositivo também forneceram evidências circunstanciais ligando Kvashuk aos roubos maiores.

Os federais também argumentam que o súbito aumento de patrimônio em bitcoin de Kvashuk era suspeito. “Os valores depositados em bitcoin na conta da Coinbase de Kvashuk geralmente está correlacionado com o valor do adquirido e resgatado [crédito da Microsoft],” argumentou o governo.

Um júri considerou os argumentos do governo convincentes e condenou Kvashuk por várias acusações em fevereiro.

“Roubar de seu empregador é ruim o suficiente, mas roubar e fazer parecer que seus colegas são os culpados e bem piro que o prejuízo de dólares e centavos,” disse o advogado americano Brian Moran, em um comunicado de imprensa. Kvashuk foi condenado por “cinco acusações de fraude eletrônica, seis acusações de lavagem de dinheiro, duas acusações de roubo de identidade agravado, duas acusações de apresentação de declarações fiscais falsas e uma acusação de fraude postal, fraude de dispositivo de acesso e acesso a um computador protegido para promover a fraude “, escreveu o governo.

Kvashuk foi condenado a paga a some de $8.3 milhões em restituição, porém para que ele não será capaz de honrar essa dívida. O governo disse que pode ser deportado após cumprir a sua pena.