Siga-nos:

Chefe do Xbox ‘Phil Spencer’ comenta sobre novas aquisições de estúdios

Executivo explica porque essas múltiplas aquisições de empresas por gigantes é algo bom para a indústria

Uma das coisas que mais vem acontecendo na indústria de videogames atual, desde o ano de 2017, é a múltipla compra de estúdios e editoras. Para termos efeitos comparativos, há 4 anos atrás, tínhamos cerca de 15 grandes editoras independentes. Neste ano de 2021, esse número é de apenas 6.

Além disso, estúdios que antes eram Second-Party ou mesmo Third-Party foram adquiridos a torto e a direito nos últimos, por empresas como Tencent, Microsoft, NetEae Games, Sony, Embracer Group, Focus Home Interactive, Electronic Arts e Take-Two Interactive. Somando todas as aquisições dessas editoras citadas, nos últimos 4 anos elas acumularam a compra de mais de 50 estúdios.

Em entrevista com a IGN, Phil Spencer, atual CEO/Presidente do Xbox e EVP de Jogos na Microsoft, comentou que essa consolidação da indústria de videogames cada vez mais apenas nas empresas gigantes é algo bom, e que entende por que algumas pessoas tem medo sobre a compra de estúdios, mas que acredita que as aquisições são “uma parte natural e saudável” do negócio de jogos.

Ser adquirido por uma empresa gigante como a Microsoft ou qualquer outra editora bilionária de videogames atual, se esse for o passo adiante que um estúdio independente opta por tomar, é um sinal de que a empresa vendedora ‘conseguiu’, disse ele. pela Microsoft

”As vezes vejo diálogos na indústria sobre, ‘bem, as aquisições são uma coisa boa ou ruim?’ E eu vi a Sony acabar de anunciar algumas aquisições, dando parabéns as equipes por isso, e eu entendo um pouco do sentimento da comunidade sobre se isso é uma coisa boa ou ruim quando as aquisições acontecem”, disse Spencer.
“Mas uma coisa que vou divulgar é que começar um novo estúdio, começar qualquer pequeno negócio, francamente, é uma proposta muito arriscada, começar um estúdio de videogame é ainda mais. E se uma equipe realmente corre o risco de começar uma nova empresa, começar um estúdio, construir isso ao longo dos anos, construir valor nisso, dizer que eles não deveriam vender, eu acho que é míope.”

Ele continua:

“A única coisa que causa esse ciclo de equipes criando estúdios é aquela oportunidade para aquelas pessoas que assumem um risco imenso ao iniciar novas equipes de perceber o valor do que criaram, e as fusões e aquisições ou aquisições são absolutamente parte disso.”
“Isso não significa que toda equipe deve acabar vendendo seu estúdio, mas acho que é uma parte natural e saudável de nossa indústria que certas equipes iniciem um estúdio, muitas delas irão falhar, sabemos que a maioria das pequenas empresas falham, seja videogames ou qualquer outra coisa, mas aqueles que conseguem passar por essa jornada cheia de riscos para chegar ao ponto de criar valor real, sempre vou dar os parabéns quando os estúdios chegarem ao ponto em que percebam esse valor por meio da aquisição ou apenas do sucesso independente maciço se esse for o caminho que eles também começarem”, continuou Spencer.

“Sabe, muitos desses líderes vão sair e começar outras coisas ao longo do tempo, é uma espécie de rotatividade natural que acontece com empreendedores e empresas iniciantes, e para nós estamos sempre procurando onde podemos continuar a construir nossa capacidade de primeira parte e olhando para as equipes que achamos que seriam boas para nós.”

Durante a entrevista da IGN, Spencer identificou algumas lacunas no portfólio de First-Party do Xbox, e disse que quer ter estúdios para aparecer nestes mercados (como a falta de subsidiárias focadas puramente em Ação Aventura ou para públicos casuais):

”Quando eu olho para o nosso portfólio, eu ainda acho que há uma oportunidade para nós com, eu diria, mais conteúdo para gêneros de família e aventura”, disse ele.
“Quando penso na diversidade geográfica de nossos estúdios First-Party, acho que ainda há trabalho para fazermos lá.”

“E o principal fator que impulsiona nossa plataforma é a força dos criadores, sejam nossos próprios ou Third-Party, e isso deve ser um foco constante para nós. E como tudo continua a crescer, conforme o negócio cresce, conforme aumenta o engajamento, conforme os assinantes crescem, vamos continuar a aumentar nosso leque de estúdios, é apenas parte da missão em que estamos e eu acho que você vai continuar a ver isso.”

Spencer também disse no ano passado que gostaria de ver o Xbox Game Studios desenvolver mais “conteúdo casual com um apelo amplo”. E em várias ocasiões anteriores, Spencer expressou o desejo de adquirir uma desenvolvedora de jogos asiática, “em particular um estúdio japonês” para ser do Xbox.

Fonte:gamevicio