Chefe do Xbox explica porque o Xbox Series X não terá jogos exclusivos

Não queremos excluir todos os outros e também queremos fazê-lo dos desenvolvedores, porque os desenvolvedores querem encontrar o maior público possível

Microsoft tem uma política muito clara com o Xbox Series X. O chefe da divisão Xbox, Phil Spencer, disse que a ideia da Microsoft é colocar o usuário no centro, mesmo à frente do console, e, portanto, a decisão de não lançar jogos exclusivos do novo console Xbox durante os primeiros meses.

A explicação é baseada na criação de uma experiência com o usuário, e não com o novo hardware. Phil Spencer não deseja que o mercado do Xbox Series X deixe de lado os usuários do Xbox One, por isso criará uma comunidade conjunta. Pelo menos, durante o primeiro ano do Série X.

Phil Spencer seguirá um roteiro que “coloca o usuário na frente do console, no centro, como uma visão do futuro”. Nas palavras do líder do Xbox: “Obviamente, construímos nossa estratégia com o Series X, começamos com isso em mente: queríamos criar um console de jogos que fosse o melhor que pudéssemos oferecer na televisão e oferecer uma capacidade única aos criadores que poderiam usar para criar os melhores jogos.”

“Mas não queremos excluir todos os outros e também queremos fazê-lo dos desenvolvedores, porque os desenvolvedores querem encontrar o maior público possível. E sim, sempre há compensações.

Em outras palavras, a Microsoft aposta em uma transição suave, o oposto da Sony no PS5. Um exemplo é o Halo Infinite, que será um dos jogos de lançamento do Xbox Series X, mas também será lançado no Xbox One.

A intenção da Microsoft é para transferir esta política de transição para terceiros, mas Spencer diz que não pode forçar a questão. “O que vemos no mundo de hoje é que os jogadores querem jogar com seus amigos, não importa em que dispositivo estejam, as pessoas querem ter a maior seleção de jogos disponível para eles, e os desenvolvedores querem usar a melhor tecnologia disponível.

Acompanhe-nos nas redes sociais seguindo no Facebook, Instagram e Twitter