Bethesda e ZeniMax são processadas por US$ 100 milhões

A ZeniMax/Bethesda auto-dilacerou a Human Head para formar a Roundhouse Studios

A editora de Rune 2, Ragnarok, incluiu ZeniMax Media, Bethesda Softworks e Roundhouse Studios em seu processo contra os principais ex-funcionários da Human Head, acusando-os de sabotar intencionalmente um par de jogos que contrataram a Human Head para desenvolver.

A ação foi originalmente movida no ano passado contra Human Head e três de seus co-fundadores por fraude e quebra de contrato depois que o estúdio fechou um dia após o lançamento de Rune 2, um jogo que havia desenvolvido para Ragnarok.

O estúdio foi reformado em poucos dias como Roundhouse Studios, um novo estúdio de propriedade da Bethesda composto por desenvolvedores Human Head, que agora pertence ao Xbox Game Studios.

A Ragnarok expandiu o processo ontem para incluir ZeniMax e Bethesda, dizendo que conspirou com Human Head desde o final do verão passado. O processo não menciona a controladora da ZeniMax, nem a Microsoft ou o Xbox Game Studios, que adquiriram a empresa de The Elder Scrolls no mês passado.

“Em um ato de total má-fé e violação contratual dos requisitos de confidencialidade, a Human Head secretamente forneceu à Bethesda e a ZeniMax ‘chaves’ que permitiam a reprodução de uma versão confidencial de pré-lançamento de Rune 2.”

“Isso permitiu que a Bethesda e a ZeniMax ver por eles próprios a ameaça que Rune 2 representava para sua franquia de sucesso, Skyrim / Elder Scrolls.”

A Ragnarok disse que a ZeniMax formou a subsidiária Roundhouse duas semanas antes do lançamento de Rune 2 e silenciosamente adquiriu o equipamento do estúdio e assumiu seus aluguéis.

O processo indica que o equipamento deveria conter segredos comerciais de propriedade da Ragnarok, especificamente código-fonte e materiais para os dois jogos que contratou a Human Head para fazer: Rune 2 e Oblivion Song, um jogo baseado na série de quadrinhos escrita pelo co-criador de The Walking Dead, Robert Kirkman.

O processo também acusa os réus de “manter o [código fonte de Rune 2] refém de forma maliciosa por meses”, impedindo Ragnarok de trabalhar no jogo e apoiá-lo após o lançamento.

Embora o processo reconheça que Ragnarok acabou recebendo o código-fonte no início deste ano:

“Os ativos que foram transferidos estavam incompletos e inutilizáveis. Na verdade, parece que os réus com más intenções organizaram deliberadamente os ativos de forma a garantir que fossem indecifráveis e inutilizável quanto possível.”

Ele prossegue alegando que a ZeniMax então ordenou que seus novos funcionários do Roundhouse parassem de trabalhar nesses dois jogos e “para garantir o máximo de dano a Rune 2 e proteger sua franquia Skyrim”, enviou o desenvolvedor líder de Rune 2, Christopher Rhinehart, em uma viagem de negócios para garantir que ele não estaria disponível para o lançamento de Rune 2.

“A ZeniMax e Bethesda conscientemente e intencionalmente fizeram com que a Human Head violasse suas obrigações com relação ao Runa 2 e Oblivion Song, e com as instruções ativas de ZeniMax, a Human Head cronometrou a revelação de seu plano para causar o máximo de danos”, afirma a Ragnarok no processo.

Enquanto Rune 2 está ao vivo e a Ragnarok forma um novo estúdio para continuar a trabalhar no jogo, a editora disse que Oblivion Song está “em um estado de degradação que tem que ser abandonado.”

A Raganarok pede uma indenização de nada menos que US $ 100 Milhões.

Representantes da ZeniMax e Bethesda foram comunicados para a Games Industry para falar sobre o assunto, porém ambas as empresas se recusaram a se pronunciar sobre o processo.